jump to navigation

Finalmente uma ação verdadeiramente responsável junho 12, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Prêmio Atitude.
Tags: , , , , , , , ,
add a comment

Ainda há tempo, basta acreditar

Hoje vi uma notícia que me deixou cheio de esperança. Tanto que me fez criar uma nova categoria aqui no blog. É legal quando isso acontece, porque há uma grande rixa entre publicitários e jornalistas. Nós, publicitários, costumamos dizer que os jornalistas são pessimistas, só querem saber de desgraça, afinal, notícia ruim é que vende jornal.

É claro que eles não deixam por menos, nos acusando de prostitutos, vendidos, porcos capitalistas e materialistas. Mas isso não vem ao caso agora. O fato é que essas rusgas não levam a nada e só empobrecem. Perder tempo com esse tipo de coisa é perder oportunidades de trabalhar em questões realmente produtivas.

Enfim, eu vi uma notícia que me deixou cheio de esperança. Esperança de que nem tudo está perdido e ainda há salvação. As maiores redes varejistas do Brasil (Pão de Açúcar, Carrefour e Wal-Mart) decidiram que, a partir de hoje, não comprarão mais carne de 11 frigoríficos acusados de comercializar gado criado em áreas de devastação da floresta amazônica.

Esta decisão foi tomada em conjunto pelas 3 empresas, após denúncias feitas pelo Ministério Público Federal e pelo Greenpeace. Os tais frigoríficos serão notificados, terão as compras suspensas e deverão apresentar guias de trânsito animal anexadas às notas fiscais, a fim de comprovar a origem da carne comercializada por eles.

O que é legal nisso tudo é a união entre concorrentes para resolver uma questão muito maior do que as de mercado. Em prol do planeta e da sociedade, suas diretorias se reuniram e assumiram um compromisso em comum.

É claro que tais atitudes são pensadas para evitar ações legais, protestos de ONG’s e a revolta dos consumidores ambientalistas e esclarecidos. Atitudes como esta de hoje só têm a contribuir para a melhora da imagem das empresas. Seria inocência pensar que tudo isso aconteceu pela boa vontade mas, independente das motivações, quem ganha somos nós.

Ganhamos porque percebemos que nossa opinião conta, que se decidirmos não comprar em certa loja porque nos atende mal ou porque não tem preocupação sócio-ambiental, ela vai perder muito. Ganhamos porque percebemos que temos poder, podemos pressionar as autoridades, quem tem dinheiro, enfim, quem acha que manda. Ganhamos porque estas certezas nos motivam e nos inspiram a questionar mais, cobrar mais e conquistar mais.

Não fiquemos parados. Façamos tudo o que estiver ao nosso alcance. Porque sabemos que não podemos fazer tudo sozinhos, mas se cada um fizer sua parte, juntos podemos fazer tudo.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u580142.shtml

O melhor de dois mundos: marketing e entretenimento junho 11, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Novidades.
Tags: , , , , , , , , , , ,
4 comments

Hannah Montana e Miley Cyrus

Miley Cyrus. Esse nome pode não ser familiar a você, mas basta sintonizar no Disney Channel que você vai ser exposto à um milhão de chamadas para o seriado Hannah Montana, o filme Hannah Montana ou produtos licenciados com a marca (advinha!) Hannah Montana. Miley Cyrus é atriz e é a protagonista da série.

Com apenas 16 anos, Miley é apontada como a adolescente mais influente do showbussines, ficando em 35º na lista de personalidades mais influentes publicada pela revista americana Forbes. Tamanho “poder” vem do balanço registrado pela franquia Hannah Montana: 4 milhões de espectadores somente nos EUA, 1 bilhão de dólares em produtos licenciados (de cadernos à guitarras de brinquedo, passando por uma infinidade de produtos), 1 milhão de cópias vendidas do CD com a trilha sonora da série (com músicas cantadas pela própria Miley) e 33 milhões de dólares de faturamento do filme Hannah Montana: The Movie somente no fim de semana de estréia nos Estados Unidos.

São números impressionantes, ainda mais se paramos para pensar que ela mesma, a adolescente Miley Cyrus, embolsou 25 milhões de dólares no ano passado. Mas qual é o segredo para esse sucesso? Sinceramente, se eu soubesse, com certeza estaria bem melhor de vida agora… Lamentos à parte, podemos ver algumas coisas que fazem de Miley uma atriz teen diferente das outras, apesar de ser bem parecida.

A primeira questão a se observar é a convergência de mídias que envolve a franquia Hannah Montana/Miley Cyrus. O carro chefe, sem dúvida, é a série de TV, um tanto auto-biográfica, na minha opinião: uma menina que se divide entre a carreira de cantora e a vida normal de uma adolescente, indo para a escola, implicando com o irmão e se divertindo com os amigos. Tudo isso sob o disfarce de Miley (que coincidência, não?) Stewart.

A série, como já falado acima, produziu um CD com trilha sonora cantada pela própria Miley Cyrus. Este CD foi o trampolim para inúmeros shows nos EUA. O dilema central da série (vida de estrela ou vida comum) pôde ser explorado mais profundamente* em um longa metragem, o que implica em mais um CD de trilha sonora. Tudo isso acontecendo enquanto os shows ficam cada vez mais cheios e concorridos, gerando mais lucros.

Paralelamente, uma quantidade infinita de produtos licenciados permite o envolvimento cada vez maior do espectador (público na faixa dos 9 aos 13 anos de idade) com a personagem, fidelizando esse público e permitindo que haja uma sobrevida maior da marca.

É importante frisar que, apesar de parecer uma estratégia massificante (e realmente é), o que poderia gerar um desgaste da imagem da atriz, a Disney tem o trunfo da dualidade Hannah/Miley. Isto permite que haja uma divisão de eventos e produtos entre ambas (mesmo sendo a mesma pessoa), que são encaradas como produtos distintos, tanto pela empresa, quanto pelo público. Hannah é cantora, pop star, tem glamour, vida agitada de festas, premiações etc. Miley é uma garota comum, com problemas comuns. Hannah é admirada pelas pré-adolescentes, enquanto elas mesmas se identificam Miley.

Esta dupla capacidade de capturar a atenção do espectador talvez seja um dos principais fatores, agora na âmbito do entretenimento, para o sucesso milionário da atriz. Ela é uma das poucas personalidades teen que conseguem ter grande popularidade tanto com as meninas (o público óbvio) quanto com os meninos. As meninas se espelham na personagem, sonhando alto com uma vida de estrela. Já os meninos, de acordo com a revista Veja (link abaixo, de onde tirei os dados monetários e esta informação sobre meninos), adoram Miley por causa da sua beleza e seu jeito descolado e engraçado.

Outra questão importante é a sua circulação no showbiz. Ela namorou um Miley Cyrus e Nick Jonasoutro astro teen, Nick Jonas, da bandinha adolescente Jonas Brothers, fazendo duetos musicais com ele e gravando clipes, mesmo depois de o relacionamento já ter terminado. Ela também é constantemente vista em festas e eventos de celebridades, além de ser tratada com muito apreço pela Disney: sua festa de 16 anos, com vários famosos entre os convidados, fechou um parque da companhia e contou com 5 mil pessoas na platéia para o show realizado naquela noite.

Muitos atores mirins desaparecem quando crescem. Seja porque já cansaram o público com sua imagem ou porque não se renovam e ficam sem graça. Miley parece estar indo na direção oposta. A medida em que seu público original cresce, ela vai deixando transparecer sua maturidade. Aos poucos a personagem Hannah Montana vai desaparecendo, dando lugar à cantora e atriz Miley Cyrus. Os shows, que antes eram anunciados como sendo de Hannah, agora são da Miley. E o público está aceitando bem esta transição.

Paralelo a isso, ela vem preparando terreno para se tornar uma sex symbol em um futuro próximo. Já há algum tempo fotos sensuais de Miley vêm aparecendo na internet (ao mau exemplo do que vem acontecendo com tantas outras atrizes e cantoras). Algumas delas com amigas, outras com namorados e mais tantas sozinha, de biquini e lingerie.Fotos assanhadas de Miley com o namorado

Não quero dizer com isso que tais “vazamentos” são premeditados ou intencionais. Realmente acredito em inocência e estupidez. De qualquer forma, as pessoas tomam conhecimento disso, vêem as fotos e mudam seus pensamentos. Neste momento ela deixa de ser apenas uma menina engraçada e sapeca para ser sensual também.

Miley Cyrus se assanhando de novo

Com certeza esses acidentes (que já renderam um ensaio controverso para a revista Vanity Fair, dado o caráter bem sensual das fotos) ajudarão Miley na transição de ídolo adolescente para uma estrela adulta. E os milhões continuarão a chegar.

*Quando digo “mais profundamente”, não quero dizer que seja algo reflexivo, mas apenas que a “trama” dura quase 2 horas e se baseia quase que exclusivamente neste aspecto.

Fonte: http://veja.abril.uol.com.br/100609/p_152.shtml

Cuidado: fantasma pode virar assombração maio 26, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Protestos.
Tags: , , , , , , , , ,
1 comment so far

Esse post é, na verdade, um resgate de algo que ocorreu já há algum tempo (acho que ano passado). E serve de dica para quem está trabalhando em Agência de Publicidade.

Nosso meio, todo mundo sabe, mexe com o ego das pessoas. Ainda mais quando há milhões de reais (ou dólares) envolvidos e criações que são vistas por milhares de pessoas. Mas nada é mais capaz de exacerbar essa cultura narcisista do que prêmios.

Não me entenda mal. Prêmios são muito legais! A questão é: será que vale fazer de tudo pra levar um troféu pra casa? Se esse “tudo” significa dar o máximo de si, suar a camisa e conseguir fazer e aprovar com o cliente uma puta campanha, acho que vale tudo sim. Mas se esse “tudo” for, por outro lado, passar por cima das pessoas, seja do cliente e da imagem de sua empresa, seja do público, que pode ser ofendido ou ultrajado com elementos de mau gosto, aí eu acho que não.

Isso nos leva aos fantasmas, que são anúncios não aprovados pelo cliente (porque não gostou, porque estaria fora do orçamento ou simplesmente porque não houve uma apresentação da peça). Esse tipo de anúncio tem por característica o fato de a criação não ter limitações (de briefing, de atendimento/planejamento e de cliente) para executar a peça, abusando da criatividade (para o bem ou para o mal).

A criatividade é, sim, uma faca de dois gumes. Há anúncios fantasmas absolutamente geniais, que você lamenta por nunca terem sido veiculados. Mas há outros que são um show de mau gosto e apelo. Para não arriscar ter surpresas desagradáveis, muitos festivais de publicidade profissionais não estão mais aceitando inscrições de peças fantasmas.

Os brasileiros, espertos que são, arrumaram logo um jeitinho de driblar essa restrição. Como é considerado anúncio fantasma aquele anúncio que jamais foi veiculado, as agências bancam a veiculação das peças, mesmo sem consentimento do cliente, só pra poderem inscrever suas obras mais “criativas”. É claro que, com a internet, muitas vezes nem é preciso gastar dinheiro, basta postar os anúncios em algum site ou blog.

Aí começam os problemas. Se caiu na rede, alguém vai acabar vendo (olha a dica aí, garotas). E o risco de um fantasma tornar-se um viral é grande, visto que os internautas adoram repassar para os amigos coisas engraçadas, inusitadas, toscas, mas acima de tudo, protestos. É impressionante a quantidade de coisas criticadas pelas pessoas na internet e, não raro, os discursos negativos assumem proporções maiores do que os positivos. Olha o risco de sujar a imagem do cliente com uma brincadeira “inocente” ou com aquela puta idéia que daria um prêmio.

Foi o que aconteceu com a Salles Chemistri, agência de São Paulo que na época tinha a conta da Itambé. O pessoal da agência fez uma campanha para o iogurte Fit Light seguindo o título “Esqueça: o gosto dos homens nunca vai mudar”, com um objetivo que desconheço: seria um exercício de criação, uma brincadeirinha interna que caiu sem querer na internet ou uma tentativa de ganhar prêmio? Pessoalmente, acho que está mais para Desencannes do que para um festival sério de publicidade. Uma bela forma de se perder uma conta. Enfim, tire suas próprias conclusões:

Anúncio Itambé Fantasma 1

Anúncio Itambé Fantasma 2

Anúncio Itambé Fantasma 3

Essas peças caíram na internet, gerando comentários indignados, e rapidamente a Itambé botou seu departamento de Relações Públicas para trabalhar e publicou uma justificativa para o incidente. Neste caso, como não poderia deixar de ser, eles jogaram para a agência toda a responsabilidade pelos anúncios, se eximindo de qualquer participação no processo de criação dos mesmos. Vale notar que a estratégia utilizada para disseminar o comunicado foi a dos famosos links patrocinados, totalmente alinhada com a natureza da divulgação das peças: rápida e gerando grande repercursão no meio on-line. Segue o printscreen do comunicado no site oficial da Itambé:

Comunicado Itambé

Moral da história: todo cuidado com os fantasmas porque, se você mexer demais com eles, pode acabar tendo que chamar um exorcista. E neste caso, quem é exorcizado da agência é o criativo.

Vídeos interativos no YouTube maio 18, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Novidades.
Tags: , , , ,
1 comment so far

Vídeos interagindo com outros vídeos. Não estou falando de uma orgia eletrônica, mas de uma inovação feita pelo YouTube já há algum tempo.

Trata-se de links, que podem ficar apenas por alguns segundos ou permanecer por toda a duração do vídeo e que te remetem para outros vídeos hospedados no site. Você pode apenas ligar vídeos com temas afins ou até criar verdadeiras redes, onde a cada clique o espectador muda o rumo de uma história, por exemplo.

Claro que esta nova possibilidade vai poder ser usada em muitas ações publicitárias daqui para a frente. Afinal, a interatividade está na boca do povo e tudo que o público gosta ou se interessa, nós publicitários tratamos de usar em alguma campanha!

Postei um exemplo disso tudo que falei. Trata-se de uma caça aos ovos de Páscoa. A dinâmica do jogo é simples. Uma menina está em um quarto bem bagunçado e há links em uma série de lugares onde pode haver chocolate escondido. Tudo o que você tem a fazer é escolher um desses lugares e clicar. Em seguida você será redirecionado para outro vídeo, onde a protagonista vai conferir se o lugar que você apontou tinha algo escondido.

Uma boa idéia para a campanha de Páscoa do ano que vem da Nestlè ou da Garoto.

Viral ou apenas um show de mau gosto? maio 10, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Novidades.
Tags: , , , , , , , , ,
add a comment

Com quase 1 milhão de views no Youtube, o vídeo “Eu sou Stefhany” (sim, com “F” e “H”) está causando sensação. Embora a maior parte das pessoas assista ao “clipe” para dar umas boas gargalhadas do nível de tosqueira a que um ser humano pode chegar, é possível perceber uma coisa interessante: por que Cross Fox?

Além de aparcer na letra (em uma parte que se repete várias vezes ao longo da canção), há inúmeras tomadas no interior e fora do carro, sempre com o cuidado de deixar a logo da Volkswagen em evidência, seja no volante ou na frente do carro. É algo para se pensar, já que o princípio de um viral é, justamente, ser um vídeo engraçado ou com algo impressionante para que quem veja tenha vontade de repassar para todos os seus amigos.

No caso de “Eu sou Stefhany”, isto tem funcionado bem, porque um monte de gente já veio me mostrar mais essa pérola Youtubeana. Assista e tire suas próprias conclusões.

Já sou referência de artigo no Wikipédia!! maio 10, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Novidades.
Tags:
add a comment

Esta semana eu me tornei referência do artigo do Wikipédia sobre Havaianas! Este é um motivo de orgulho, já que o meu post Havaianas é um dos mais lidos em aqui no Ou seja, Power Rangers!. Obrigado a todos, por lerem e acompanharem meus posts!Referência

Comer em fast food já é seguro novamente maio 6, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Bizarrices, Reflexões.
Tags: , , , ,
add a comment

Passamos anos de nossas vidas ouvindo as críticas feitas aos restaurantes fast food. Esquerdistas engajados acusando estas empresas de serem disseminadoras do ideal hegemônico estadunidense. Médicos, nutricionistas e toda sorte de profissionais da área de saúde alertando para o fato de que a comida servida em tais estabelecimentos mal poderia ser chamada de comida. Até documentários já foram feitos no sentido de demonstrar os perigos de uma dieta regada a lanches altamente gordurosos.

Mas essa história está prestes a mudar. O Mc Donald’s, a maior e mais famosa rede de restaurantes fast food, acaba de iniciar um programa que promete agregar valor à marca, no que diz respeito à responsabilidade social.

Na cidade de Granges-Paccot, na Suíça, uma menina de 7 anos encontrou entre as batatas fritas, um pacote de camisinha aberto. Só dez horas depois da compra é que a mãe procurou a polícia, o que dificultou a perícia do artefato. Uma coisa foi assegurada: o preservativo “não foi usado em uma relação sexual completa”.

Este caso nos faz refletir sobre muitas coisas. Primeira de todas: o que seria “relação sexual completa”? O usuário fez tudo e só não chegou lá porque as batatas tinham ficado prontas? Ou será que só tinha dado tempo de colocar a camisinha, sem nem conseguir colocar na portinha? Muito impreciso, muito impreciso…

Segundo ponto: por que será que a mãe demorou tanto tempo pra ir à polícia? Tá certo que ela alegou ter levado o lanche para viagem e que a filha demorou a começar a comer. Mas dez horas??? Imagina o estado do lanche, frio, amassado e murcho. Nem precisava ter uma camisinha usada para ser nojento.

Esta demora nos leva à terceira questão: como será que a mãe se saiu em uma situação dessas? É claro que as crianças hoje já não são tão inocentes como já foram outrora. Elas sabem de coisas que a gente só foi descobrir depois de velho. Mesmo assim, não consegui tirar da cabeça que, talvez, esta tenha sido a primeira vez que aquela mãe teve que falar de sexo com a filha.

– Mãe, olha o que eu achei na batata!

– Filha! O que é isso?!

– É brinde, mãe. No Mc Lanche Feliz também tem brinquedo.

– Me dá isso aqui! Agora!

– Mas por quê, mãe? O que é isso?

– Isso aqui é… hum… ahn…

– Mãe?

– Ah, isso é uma… uma…

– Uma o quê?

– Uma… um…

– Fala logo, mãe!

– É uma coisa que se usa quando dois adultos… hum… se conhecem e, bem, querem ficar um tempo um com o outro para… para se conhecer melhor e… e… e fazer coisas que só podem fazer num lugar, assim, sem ninguém…

– Você tá falando de sexo?

– Como é que é??

– É, mãe, a professora já falou sobre isso na escola. E faz tempo que você não conhece ninguém, né?

– …

Este, que é um momento temido pelos pais, pode ficar muito mais fácil com a ajuda do Ronald. Afinal, quem melhor do que um palhaço para ensinar educação sexual?

Venda casada: compre uma batata grande e ganhe uma surpresa maior ainda!

Fonte: http://economia.uol.com.br/ultnot/2009/05/05/ult1767u144939.jhtm

Homens e mulheres a um passo da igualdade abril 17, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Novidades.
Tags: , , , , ,
add a comment

As mulheres lutaram muito ao longo do século XX para conquistar direitos iguais aos dos homens. Lutaram e continuam lutando.

Hoje, em pleno século XXI, as promessas de liberdades e avanços, não só tecnológicos, mas jurídicos e morais, ainda não foram totalmente cumpridas. Para falar a verdade, algumas delas estão bem no comecinho.

De qualquer forma, as mulheres, por maiores que sejam os preconceitos e discrepâncias salariais, têm conquistado vitórias importantes. Pois vejam só. Há alguns posts, eu externei o meu protesto contra o ato absurdo que foi o padrasto estuprar a própria enteada de 9 anos.

Esse caso hediondo me fez pensar nas possibilidades não tão hediondas de o inverso acontecer. Ao invés de um homem ser o agressor, ser na verdade a vítima de um estupro realizado por uma mulher.

Isso mesmo, uma mulher estuprando um cara. E não estou falando de “mulheres” que escondem certos “atributos” e enganam pessoas inocentes como o Fenômeno. Nem de “mulheres” com “a” Rebecca Gusmão, da natação brasileira, que foi banida por uso de anabolizantes (o que ela negou até o fim, dizendo ter nascido assim, e recebendo apoio de seu namorad”o”, que disse achá-la linda do jeito que “ela” é). Estou falando de uma mulher mesmo,  normal, feminina e delicada, daquelas que dão gritos alucinados quando quebram uma unha.

Neste momento você deve estar pensando o que eu pensei quando me vi refletindo sobre isso: “Óbvio que não”. Pois é. Hoje eu vi uns vídeos que me fizeram reconhecer que esse “Óbvio que não” era puro preconceito. Parabéns, mulheres! Mostrem para nós o quanto estamos errados!

Pronto, virou moda abril 14, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Reflexões.
Tags: , , , , ,
add a comment

Não vou falar muito neste post, até porquê a reportagem é auto-explicativa. Tudo o que vou falar é que, a partir de hoje, avise seus parentes e amigos para não chegarem perto de um arpão ou de alguém que esteja manejando um.

Ser atingido por um destes artefatos já é raro. Quando duas pessoas em menos de um mês são atingidas em locais potencialmente fatais e nada sofrem (além de procedimentos cirúrgicos aparentemente simples), significa que agora, se você for atingido no pé, morre. Eu é que não vou arriscar.

Acesse e leia a matéria, você vai entender o que eu estou falando.

www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u550031.shtml

Mudança abril 1, 2009

Posted by Daniel Aleixo in Experiências.
Tags: ,
add a comment

Meus posts estão muito longos e com informações demais. Vou passar a escrever, no máximo, 3 linhas. E só sobre assuntos que se esgotem neste espaço.

Primeiro de abril!!! (Não resisti à tentação, foi mal)Não deu pra resistir, é 1º de abril!!